Google+ Followers

sexta-feira, fevereiro 20, 2009

Região de Ponta Grossa ganha uma unidade da Rone

Ponta Grossa (Sucursal) - Entraram em operação no dia 18, em Ponta Grossa, as Rondas Ostensivas de Natureza Especial (Rone), depois de três meses de treinamento. A apresentação oficial do grupamento foi realizada no 1º Batalhão da PM, após a solenidade dehomenagem o patrono da Polícia Militar do Paraná, coronel Joaquim Antonio de Moraes Sarmento, no quartel da Ronda dia 18.
O grupamento é formado por 31 policiais, estruturados com cinco carros e cães adestrados. Os policiais foram divididos em cinco grupos, com quatro ou cinco integrantes. Os trabalhos ordinais terão dois responsáveis, o tenente Cláudio Prus, comandante da Rone, e o tenente Peres, subcomandante. "As operações especiais terão o meu comando, mas os dias ordinais eu e o tenente Peres vamos dividir o comando", explica Prus. Com a apresentação oficial amanhã, as equipes já saem a campo. Ponta Grossa e mais duas cidades da região serão as primeiras a serem contempladas com operações. "É muito importante que as ações sejam levadas a outros municípios, a exemplo de iniciativas do GOE, que trouxeram bons resultados no ano passado".
O tenente exemplifica o sucesso das ações com o desarmamento que foi feito em algumas cidades, como Imbituva, onde foi apreendido, entre outros exemplares, um fuzil adaptado. Pontos de distribuição de drogas, focos de favorecimento à prostituição e foragidos da Justiça foram descobertos. Rebeliões em cadeias da região e em Ponta Grossa também tiveram solução com a intervenção da Polícia Militar. Além de combater o crime organizado, a Rone estará empenhada diuturnamente no apoio necessário ao sistema modular e policiamento tipo rádio patrulha. Prus aposta em resultados melhores que os atingidos pelo GOE e TMA, pois o efetivo está maior e mais preparado, além de uma melhor estrutura. Agora o grupo poderá contar com especialista, inclusive, no campo de explosivos. "São dois especialistas na área, que estão repassando os conhecimentos aos demais integrantes da Rone", conclui o tenente, observando que o emprego de cães adestrados também conta como um apoio crucial. Outro ponto que Prus destaca são as operações que serão realizadas em Ônibus. O comandante do 1º Batalhão, tenente-coronel Ildemar Margraf, acredita que a criminalidade não só em Ponta Grossa como em todos os 25 municípios da Região dos Campos Gerais pode ter diminuição considerável, a partir da criação da Rone. Ele também enfatiza que quando o efetivo é pequeno, uma das soluções é treinar o pessoal, visando oferecer à população uma Segurança Pública mais eficiente em suas missões. Para o coronel já estava na hora de instalar um grupamento como a Rone "Na medida em que o crime se organiza, a polícia também precisa se organizar, se modernizar". Margraf afirma que na prática, a instituição da Rone significa mais policiamento nas ruas e certamente redução da criminalidade.
Primeira mulher no combate
Ponta Grossa (Sucursal) - Márcia Gabriel é um dos 31 policiais que integram a Ronda Ostensiva de Natureza Especial (Rone). Ela é a primeira policial feminina a receber a oportunidade de fazer parte do efetivo de um grupo de "combate'. De acordo com o comandante da Rone, tenente Cláudio Prus, ela não perde para nenhum dos homens do efeito. "Ela cumpre os treinamentos e os trabalhos tão bem quanto qualquer outro. Está desempenhado muito bem o seu serviço", elogia.
A soldado Márcia afirma que, apesar de os treinamentos e as operações serem mais pesados, não com o que se preocupar, pois quando entrou na Polícia Militar sabia das obriga-sções que teria. "Também venho do efetivo do TMA e não tive muitos problemas de adaptação. Claro que os treinamentos são mais puxados, mas não tem o que temer", comenta.
Outro fator positivo da presença de Márcia na Rone, de acordo com Prus, será nas abordagens. Nas operações realizadas pelo grupamento, enquanto era GOE, muitas mulheres estavam nos pontos de batidas e com a presença da policial, estas mulheres poderão ser abordadas com mais facilidade. "Não teremos problemas nas abordagens, pois nos bares e ônibus que fazemos operações sempre tem mulheres, e, com a presença da soldado Márcia, elas também serão revistadas e abordadas", complementa o comandante. (API)

Nenhum comentário:

Postar um comentário